Curiosidades High Tech Linux OpenSource Software Tecnologia

Veja quais locais utilizam Linux no Brasil

Curso de Manutenção de Celulares

Segundo uma estimativa da Linux Foundation, mais de 3 milhões de computadores no Brasil utilizam com o Sistema Operacional GNU/Linux. Sim, existem várias comunidades Linux no país e muitos projetos destinados a promover, desenvolver e adicionar o sistema Linux em vários locais por todo o Brasil. O Sistema do pinguim também está implementado em diversos locais conhecidos e de grandes referências. São locais que adotaram o sistema por uma única razão: Confiança no sistema devido aos serviços importantes que nele são efetuados.


Banco do Brasil

O BB é uma instituição financeira em sociedade de economia mista federal e amplamente conhecida aqui no Brasil que adotou de braços abertos o software Livre Linux. Ainda em 2011 a migração desta instituição financeira para sistemas Linux ainda estava em progresso, mesmo tendo seu ponto inicial em meados de 2001 e em 2010, dos 43.343 Caixas Eletrônicos, apenas 20 mil rodavam em Linux. Visto pela maioria como uma lenta substituição de seus (finados) terminais com o sistema operacional IBM OS/2 para Linux, foram os funcionários do Banco do Brasil que facilitaram e promoveram a migração, uma vez que são estes os próprios responsáveis pela desinstalação do Windows e outros sistemas para a instalação do Linux como sistemas operacionais internos, chegando na estimativa de 1.000 instalações do por dia.

O Banco do Brasil teve todo o cuidado de manter o visual anterior, assim como suas novas aplicações de forma muito similar à antiga sem grandes mudanças visíveis. Com a migração os funcionários do Banco não tiveram reclamações nem dúvidas de clientes, o que indica que o Linux se adaptou muito bem às necessidades do banco, assim como os clientes que também conseguiram se adaptar facilmente ao software Open Source no sistema do banco. O BB também utiliza a suíte OpenOffice.org que se revelou um tremendo sucesso entre seus funcionários.

[button color="#002D9A" background="#FFF300" size="small" src="http://br-linux.org/linux/esclarecimentos-do-banco-do-brasil-revista-voce-sa"]Fonte[/button]

Petrobrás


A Petrobrás é uma das maiores petrolíferas do mundo, além de ser a maior empresa do Brasil. A nível de valor de mercado, a Petrobrás encontra-se no oitavo lugar em nível mundial. Portanto já podemos ter uma ideia da dimensão e importância desta instituição. E se o Linux não fosse um sistema confiável, uma empresa deste porte não iria confiar em seus serviços. Mas foi isso que a Petrobrás fez ao implementar o BrOffice.org em mais de 90 mil das suas máquinas. O BrOffice é um conjunto de aplicações para escritório que podem ser utilizadas tanto para uso pessoal como para uso profissional. Esta alteração nas suítes de escritório trouxe enormes benefícios à empresa, uma vez que a redução de custos situava-se entre os 40% referentes a licenças de software pago. Márcia Novais, coordenadora de projetos de Tecnologia da Informação da Petrobrás, adiantou que o BrOffice.org é um software com maturidade tecnológica exemplar e completamente adequado às necessidades da empresa. Esta alteração contou também com o treinamento dos funcionários para aprendizagem do novo software [fonte]. Mas as novidades da utilização de software livre por uma das maiores empresas do mundo não termina por aqui. A Petrobrás informa que também adotou o Linux em seus 252 servidores. O Cluster que foi montado pela IBM, utiliza o sistema operacional livre que, segundo a IBM, é um sistema que "unifica a capacidade de execução com simplicidade". [fonte]

[button color="#COLOR_CODE" background="#COLOR_CODE" size="small" target="blank" src="http://www.serpro.gov.br/noticias-antigas/noticias-2004/20040716_03"]Fonte[/button]

Casas Bahia

As Casas Bahia, empresa popular de eletrônicos eletrodomésticos no Brasil, deu início à sua alteração de sistema para Linux desde 2001 e rapidamente reconheceu os benefícios a curto prazo. O sistema foi migrado nas 550 lojas, afetando o email, aplicações de escritório e até o relógio, como menciona Wanderley, diretor de informática das Casas Bahia. Ele próprio ainda adianta que "Tudo o que dá, a gente coloca em Linux, que é mais estável e barato." Este vídeo mostra como a empresa adotou sua migração para Linux.
Em 2001 a empresa iniciou com o Red Hat Linux e Wanderley afirma que a redução de custos foi monstruosa: "Cheguei a testar 600 terminais ligados a um servidor, depois dividi por três por segurança. Imagine quanto teria que pagar nessa situação com todas as licenças de software proprietário e maior quantidade de servidores? – disse Wanderley.
Hoje as lojas Bahia utilizam por padrão a distro SuSE Linux com suporte pelos laboratórios da IBM.

Lojas Colombo

Com as Lojas Colombo a decisão foi a mesmoa: Decidiram migrar seus sistemas para Linux. O processo foi realizado em cerca de 300 servidores dentre as 3.200 lojas, a compatibilidade foi feita em 1.500 impressoras e centenas de leitores de códigos de barras, sem necessidade de substituir as aplicações já existentes. Esta migração permitiu que as Lojas Colombo deixassem de pagar licenças por software, além de conseguir adquirir novos e mais modernos equipamentos, sem falar da melhora na performance e e velocidade de seu sistema atual. O Diretor de tecnologia de Informação da empresa, Alexandre Blauth, indica que todo o ecossistema ficou visivelemente mais rápido e extremamente estável, fator fundamental quando se trata de comércio.
Com a migração a empresa ainda poupou cerca de 80% na implementação e manutenção, comparando valores referentes à instalação de softwares Microsoft.

Lojas Renner

Uma das maiores redes de departamento do país especializada em moda, possuia o objetivo em adotar as melhores práticas de TI, alinhadas à redução de custos e necessidades do negócio. Então as Lojas Renner adotou o Linux como o sistema padrão em suas Lojas, por decisão fundamental de seu diretor de TI, Luis Agnelo Franciosi que teve a decisão de instalar o Linux nas lojas Renner à partir do ano de 1997.

Pelas palavras de Luis Agnelo Franciosi: Daquela época pra cá, muitas coisas mudaram, uma delas talvez a mais importante seja toda a redução de custos de nossas 53 lojas. Em 1997 houve um direcionamento crescente e sem parar continuamos investindo no Linux. Com o crescimento exponencial da loja e da marca, hoje os 114 estabelecimentos da loja Renner continuarão a utilizar Linux ainda por muito tempo.

Banrisul

Para quem vive em outros estados o Banco do Estado do Rio Grande do Sul, pode não ser tão conhecido como outros bancos. Mas além de ser uma grande instituição financeira, o Banrisul começou a testar o software livre já em 1998. Passados 5 anos, em 2003, o sistema Linux já estava implementado em todos seus caixas. Atualmente o Banrisul dispõe de 3 mil equipamentos com Linux. Segundo o gerente da unidade de infraestrutura de tecnologia do Banco, José Eduardo Bueno, o banco foi o primeiro "no mundo a usar Linux em caixas eletrônicos". O Banrisul possui 800 servidores e o Linux é usado por 600 deles. Ainda há muitos equipamentos com Windows, mas o objetivo é reduzir de forma consistente, e segundo Bueno, a aposta no OpenSource vale muito a pena do ponto de vista econômico, principalmente quando se fala em "Banco", diz José Bueno.

Procergs

A Procergs é a maior empresa de Tecnologia da Informação do Rio Grande do Sul, também é responsável pelo processamento de dados desse mesmo estado e alguns outros.
Esta empresa caracteriza-se por tentar alcançar sempre mais independência, e por esse motivo prefere sistemas livres e de código aberto. Segundo Carson Janes Aquistapasse, diretor-executivo da empresa, mais de 50% das aplicações estão sendo desenvolvidas sem o pagamento de royalties por serem baseadas em linguagens de programação Java e PHP. Apesar de Aquistapasse admitir que "a migração total é impossível por uma questão de racionalidade", a Procergs tem o Linux em 40% dos seus servidores. E o objetivo é realizar uma migração gradual de todos os computadores para o sistema do Pinguim passando de 40% para 99,0%.

Na Educação

A educação também faz uma forte aposta no software livre. Em 2009, 10 milhões de alunos do ensino básico receberam 26 mil laboratórios de informática, devido à expansão do Programa Nacional de Tecnologia Educacional, ProInfo. Cada laboratório é equipado com um computador, cinco terminais de acesso compostos por um monitor, um teclado, um mouse, headphones e uma entrada USB, além de um estabilizador e uma impressora. Todos estes computadores são compatíveis com a versão do Linux Educacional 3.0, uma distro Linux, desenvolvida pelo Ministério do Brasil que é baseada no Kubuntu 8.04. Esta distro foi especialmente indicada para responder às necessidades sentidas pela escola pública do país através de conteúdos pedagógicos específicos e pré-selecionados.

[button color="#COLOR_CODE" background="#AAC0D5" size="small" target="blank" src="http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12185:computadores-para-26-mil-escolas&catid=218"]Fonte[/button]

Governo Federal


Assim como nas escolas, outro local onde Linux conquistou a confiança foi no Governo Federal, onde segundo a Linux Foundation, cerca de 70% das aplicações já trabalham em software livre. O Governo do Brasil dá sempre prioridade ao software livre, e só depois a programas proprietários por ex. quando não há opções open-source. Esta opção parece ter trazido consequências positivas nos cofres do estado, pois poupou cerca de R$ 370 milhões em 12 meses com a utilização de "Sistemas operacionais, navegadores, leitores de e-mails e outros softwares de código livre com diversas finalidades". O pai do Linux, Linus Torvalds disse uma vez que "usar Linux não é apenas redução de custos, mas sim uma questão de controle e autonomia pelo sistema que se usa. Com os governos, é necessário haver a segurança em usar um sistema que ninguém pode tirar do próprio governo, aquilo o que ele utiliza, não pode correr o risco de ficar à mercê de uma empresa internacional". O Diretor executivo da fundação, Jim Zemlin adiantou que uma migração para Linux não existe custos muito elevados e muito menos a nível de reaprendizagem.

[button color="#COLOR_CODE" background="#B5A365" size="small" target="blank" src=http://nighthard.blogspot.com/2010/09/linux-beneficia-governos-nao-so-pelos.html"]Fonte[/button]

Por fim…

Estes foram alguns dos muitos outros locais onde Linux é a preferência, quando no final se faz uma lista dos prós e contras, o resultado é realmente espantoso. Apesar de haver instituições que não se importam de pagar mais por licenças de softwares prioritários, parece que ficou bem claro que o Linux é um sistema criado e fortemente pensado no usuário e não no criador. Diga para nós se você conhece outras empresas ou instituições aqui no Brasil que também utilizam o sistema Linux! 😉

Comente via:

  • Facebook
  • WordPress
  • Google Plus

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

3 Comentários

  1. Danilo David disse:

    A prefeitura de Belo Horizonte a muito tempo a distribuição e própria da prefeitura
    chamado de "Libertas"

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.