Scroll Top

Dicas High Tech Internet Produtividade Tecnologia Tutoriais

As 3 Dimensões básicas do Big Data – Conceitos e Modelos

Curso de Manutenção de Celulares

O termo "Dados" não é algo novo para quem está habituado ao mundo tecnológico. "Dados" é uma das primeiras coisas ensinadas quando você opta por seguir carreira na área de tecnologia da informação. Como você pode lembrar, "dados são considerados a forma bruta de informações". Embora seja existente há uma década, o termo Big Data ou "Megadados" está na "moda" da tecnologia atual. Seu nome já é autoexplicativo, ou seja, cargas e cargas de dados de grandes dimensões. – estes (dados) que podem ser processados de diferentes formas, utilizando dos mais variados e diferentes métodos e ferramentas para extrair as informações necessárias. Este artigo fala sobre os conceitos de Big Data nas 3 Dimensões básicas ou simplesmente: 3 "V's", mencionados por Doug Laney, um pioneiro no campo de armazenamento de dados e do importante campo da Economia da Informação.

big-data

Quando surgiu o conceito de quanto mais dados, mais fácil é descobrir informações diferentes e relevantes, para isso basta utilizar as ferramentas certas, as empresas começaram a armazenar dados e mais dados por longos períodos de tempo.

O escopo do Big Data não se limita aos dados que você coleta e armazena em suas instalações empresariais ou na nuvem. Ele pode incluir dados de outras fontes diferentes, até mesmo as de domínio público.

O modelo de Big Data baseia-se na regra das 3 Dimensões ou simplesmente dos 3 V's:

  • Volume: refere-se à gestão de armazenamento de dados.
  • Velocidade: refere-se à velocidade do processamento de dados.
  • Variedade: refere-se ao agrupamento de diferentes conjuntos de dados que aparentemente não são relacionados.


Volume

Falando sobre o Big Data, pode-se compreender o Volume como uma enorme coleção de informações brutas. Embora isso seja verdade, é sobre os custos de armazenamento dos dados que pode estar o maior problema. Os dados importantes podem ser armazenados localmente ou até mesmo na nuvem por ser mais flexível. Mas levando em consideração o custo, você precisa realmente armazenar tudo?

Quando o volume de dados aumenta, parte destes dados começam a ser desnecessárias. A ideia básica é manter um ambiente enxuto, tendo somente o volume de dados utilizáveis. – já os dados não utilizáveis podem ser descartados, mas se a empresa é relutante em descartar seus "dados supostamente não importantes", a melhor forma é mantê-los armazenados em dispositivos locais (Computadores, Storage's, DVD's, Fitas) em que as empresa não necessite pagar para serem armazenados por terceiros.

Eu usei o termo "dados supostamente não importantes" porque eu também acredito que dados de qualquer tipo possam ser requeridos – mais cedo ou mais tarde – por qualquer negócio ou projeto no futuro e, portanto, precisam ser mantidos guardados por um bom tempo até você a total certeza de que eles não serão de fato mais importantes ou utilizáveis.


Velocidade

A velocidade de processamento de dados é um fator extremamente importante quando se fala de conceitos do Big Data. O Google já havia admitido que a velocidade com que uma página é carregada é essencial para uma melhor classificação em suas buscas. Por exemplo sites de comércio eletrônico que estão no topo do ranking de buscas do Google, são influenciados pela velocidade com que o site trabalha, fato que também proporciona um maior conforto aos usuários enquanto fazem suas compras. O mesmo exemplo citado acima, também se aplica para os dados a serem processados ​​para outras informações nas empresas.

Ao falar sobre a velocidade, é essencial saber que o assunto vai muito mais além do que obter uma maior largura de banda. Ele combina dados prontamente utilizáveis ​​com diferentes ferramentas de análise. Dados prontamente utilizáveis significam um trabalho extra para "etiquetar"ou seja: organizar e categorizar as estruturas de dados para que no futuro sejam mais fáceis e rápidas de serem processadas. A próxima dimensão do Big Data ou próximo "V", a variedade, esclarece um pouco mais sobre isso.

Variedade

Quando há cargas e cargas de dados, torna-se importante organizá-los de uma forma que as ferramentas de análise possam facilmente processá-los. Lembre-se que existem ferramentas para a organização de dados e ao serem armazenados, os dados podem ser desestruturados, de qualquer tipo ou forma. Cabe a você descobrir qual a relação das diversas variedades de dados e como elas se relacionam entre si e com você. Depois de descobrir a relação, você pode pegar as ferramentas apropriadas e em seu manuseio realizar a extração de informação estratégica, nos métodos estatísticos de análise e em programação para sua análise estatística ou da empresa, de modo a se obter conclusões com margens de erro controladas para a tomada de decisões com base nos dados disponíveis, terminando com um armazenamento com variantes, só que altamente muito mais estruturado e ordenado.

big-data-dimensions

Resumindo…

Em outras palavras, o modelo de 3 Dimensões do Big Data ou 3 V's são baseados em: dados utilizáveis ​​que você possui; etiquetagem correta dos dados; e processamento mais rápido. Se estes três conceitos básicos forem tratados adequadamente, seus "Megadados" serão processados ​​e analisados com maior facilidade ​​para descobrir as devidas informações das quais você necessita e com um custo relativamente menor. – estes 3 conceitos básicos iniciais foram tão bem aceitos que também foi incluído um quarto V: Veracidade, para cobrir questões de confiança e incerteza. Mas o Big Data não vive só de despesas, fato que acarretou em um quinto V: Valor porque é absolutamente necessário que a empresa ou organização que implementa a tecnologia, obtenha um ROI ou Retorno Sobre Investimento aplicado ao Big Data.

Comente via:

  • Facebook
  • WordPress
  • Google Plus

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.