Android Notícias

A Segurança do Sistema Android

Curso de Manutenção de Celulares

Nenhum sistema pode ser considerado 100% à prova de vulnerabilidades… mas há alguns que se aproximam bastante. O Android surge muitas vezes na mídia sendo um alvo preferencial para uma nova geração de malware que visa atacar os equipamentos e dispositivos mobiles que se tornam cada vez mais populares. Mas até que ponto o Android é realmente vulnerável a estes ataques?

1

Nada pode proteger um sistema que dá liberdade aos  próprios usuários de o comprometerem, mas mesmo assim o Android faz um excelente trabalho ao apresentar várias camadas de segurança que ajudam a minimizar os riscos.

Para começar, temos os apps que estão no Google Play e são verificados pela Google. Se um usuário quiser instalar aplicativos de outras origens, o mesmo terá que ir manualmente ativar essa permissão nas configurações do seu dispositivo. Depois temos várias camadas que confirmam se queremos mesmo instalar o app e que a verificam, e por fim, os apps rodam num modo “sandboxed” isolado e com permissões restringidas o que evitará que um app malicioso possa fazer grandes estragos.

Segundo dados que têm origem no encarregado pelo departamento de segurança do Android, apenas 0.001% dos apps instalados tentam ultrapassar as defesas da plataforma para potencialmente se tornarem perigosas no sistema.

Segundo os números que ele apresenta 95% dos equipamentos Android tem a opção para verificar os apps; a grande maioria só instala apps que têm origem “seguras”; dos apps com origem desconhecidas apenas 0.5% recebe um aviso de que podem ser potencialmente perigosos; depois deste aviso apenas 0.13% delas são efetivamente instalados; e dos que são instalados apenas 0.001% tentam ultrapassar as defesas do sistema. (E é preciso ter em conta que apps para fazer o “root” são tecnicamente enquadradas nesta categoria.)

Aliás, pegando apenas na porcentagem de apps “maliciosos” deste estudo, 40% delas eram apps de rooting. Outras 40% eram apps malware que fazem chamadas ou enviam SMS para serviços de valor acrescentado; 15% eram spyware que fazem tracking do que usuários fazem (incluindo keyloggers); e as restantes classificadas como “diversos”.

Dados que ajudam a desmistificar a ideia de que se deve instalar aplicativos “antivírus” em nossos dispositivos Android, e que não é “por tudo e por nada” que se está sujeito a pegar algum malware no equipamento. O principal fator de risco continua a ser – na grande maioria dos casos – o próprio usuário. E por isso, basta apenas que tenham um mínimo de bom senso para:

1) Instalar apenas apps de fontes de confiança como o Google Play ou loja oficial do fabricante;
2) Em caso de surgir um alerta avisando que o app é potencialmente perigoso, cancelar imediatamente a instalação – a não ser que saiba mesmo o que estão fazendo e estejam dispostos a assumir esse risco;

[button color=”#COLOR_CODE” background=”#FD781D” size=”medium” target=”blank” src=”http://abertoatedemadrugada.com/2013/10/a-seguranca-do-sistema-android.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+AbertoAteDeMadrugada+%28Aberto+at%C3%A9+de+Madrugada%29″]Via: Aberto ate de madrugada[/button]

Avalie

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.