Json – O sucessor da Linguagem XML

Para quem é da área de programação, com certeza já teve a necessidade de realizar troca de informações entre uma aplicação cliente/servidor. Em uma abordagem inicial, a escolha do formato de dados para intercâmbio das informações entre servidor e cliente é o (eXtensible Markup Language) XML.

Mas como o mundo da tecnologia é dinâmico, seria algo muito fóra do comum se não houvesse uma adaptação e melhorias em certas linguagens de programação destinadas ao melhoramento de certas aplicações que utilizamos em nosso dia a dia. Por isso mostro à todos um pequeno passo ao futuro… Seu nome é JSON.


JSON significa JavaScript Object Notation é uma linguagem leve e de padrão aberto, foi projetada para obter um melhor intercâmbio de dados entre computadores. É derivado do JavaScript, que é uma linguagem de programação simples para representar estruturas de dados e arrays associativos, que chamamos de objetos e seu uso não requer exclusivamente Javascript.

O formato JSON foi especificado originalmente por Douglas Crockford, e sua extensão de tipo de arquivo fica notóriamente gravada como: .json .

No entanto, o formato JSON  tem ganhado uma maior popularidade pois está sendo adotado como formato padrão para muitos serviços disponíveis na Internet, com isso vemos que aos poucos o XML tem sido claramente substituído pelo JSON, uma vez que o JSON é mais rápido de processar, eficiente, e mais simples de se entender que o XML. Alguns exemplos de utilização são o Twitter e Yahoo que adotaram o JSON como em seus sistemas.

O formato JSON assenta basicamente em duas estruturas:

  • Uma coleção de pares: chave/valor – Em algumas linguagem de programação tal estrutura é entendida como um objecto, lista, matriz, etc;
  • Uma lista ordenada de valores –  Nas linguagens de programação é caracterizado como um array, vetor, lista, etc;

Este tipo de estruturas de dados são transversais a quase todo o tipo de linguagens de programação modernas, o que faz do JSON é excelente escolha no que se refere ao formato para intercâmbio de informação.

Representação das estruturas no formato JSON:
Objeto

Um objeto é um conjunto desordenado de pares chave/valor. No formato JSON, um objeto começa por { (chaveta esquerda) e termina em } (chaveta direita). Cada nome é seguido de : (dois pontos) e os pares chave/valor são separados por “,” (vírgula).

Um pequeno exemplo abaixo:

{ color: "verde", site: "escreveassim.com.br”, value: "#f00" }
Array

Um array é um conjunto de valores ordenados. Um array começa com [ ( colchete esquerdo) e termina com ] colchete direito). Os valores são separado por “,” (vírgula).

Exemplo:

[ 100, 500, 300, 200, 400 ]
Value

Um value (valor) pode ser uma String (se estiver dentro de aspas), um número, ou true, false ou null (Verdadeiro, Falso ou Nulo).

String

Uma string é uma sequência de zeros ou mais caracteres unicode. A sequência é muito semelhante as utilizadas em linguagens de programação como C ou JAVA.

Number

Um número é muito semelhante ao usado nas linguagens de programação C ou Java, com exceção dos formatos octal e hexadecimal uma vez que não são usados.

Um exemplo de um código no formato JSON

{"menu": { "id": "escreveassim", "value": "100", "popup": { "menuitem": [ {"value": "Linux", "High Tech": "Windows"}, {"value": "Android", "Noticias": "Windows 8"}, {"value": "apps", "redes": "tutoriais"} ] } }}
Resumindo…

O formato JSON promete, seu sucesso deve-se ao fato de possuir certas características que o permitem destacar-se do formato XML. Hoje já é comum ver algumas aplicações que utilizam os dois formatos, no entanto, nota-se que o JSON está a crescendo muito e rápido, pois maioria das linguagem de programação cada vez mais disponibilizam suporte para seu o formato. Com a rapidez do JSON, nota-se realmente a diferença de velocidade se comparado ao XML. Um dica é no setor dos dispositivos móveis, que tudo conta na altura de escolher qual tecnologia/formato será importante para maior velocidade das aplicações e ter conhecimento do que ainda virá por aí. Agora é só esperar para vermos o que esperar do futuro do JSON.

Site: JSON

One Response

  1. Migazan 29/05/2011

Add Comment